Autonomia, saúde mental e subjetividade no contexto assistencial brasileiro
Daniel Magalhães Goulart
Universidad de sao Paulo
PDF

Palabras clave

autonomia
alta institucional
saúde mental
subjetividade
sujeito.
PDF

Resumen

Este estudo visa refletir teoricamente sobre formas de cuidado que priorizem o resgate da autonomia por parte de pessoas atendidas em serviços assistenciais de saúde mental no Brasil, enfatizando, sobretudo, o problemático período da alta institucional. Para tanto, faz-se uma apresentação das atuais mudanças no modelo asistencial em saúde no país e discute-se alguns principios que norteiam a Reforma Psiquiátrica brasileira, atentando para a superação de impasses históricos e para as limitações das práticas institucionais, que ainda parecem culminar em frequentes quadros de institucionalização dos usuários. Nessa discussão, o estudo da subjetividade é apresentado como alternativa teórica para compreender como esses complexos e conflitantes processos se atualizam na vivência do sujeito.

PDF

Citas

ALVERGA, Alex Reinecke de; DIMENSTEIN Magda (2006). A reforma psiquiátrica e os desafios na desinstitucionalização da loucura. Interface – Comunicação, Saude, Educação 10(20). pp. 299-316.

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho (2009). Reforma psiquiátrica e epistemologia. Caderno Brasileiro de Saúde Mental 1(1). pp. 1-7.

BARROS, Denise Dias (1994). Cidadania versus periculosidade social: a desinstitucionalização como desconstrução do saber. In: Paulo Amarante (Organizador). Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

BICHAFF, Regina (2006). O trabalho nos centro de atenção psicossocial: uma reflexão crítica das práticas e suas contribuições para a consolidação da Reforma Psiquiátrica. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Escola de Enfermagem, São Paulo: Universidade de São Paulo.

BORTONI-RICARDO, Stella Maria (2008) O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola.

BRASIL (2004a). Saúde Mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL (2004b). Saúde Brasil 2004: uma análise da situação de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL (2009). O trabalho do agente comunitário de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL (2010). Relatório Final da IV Conferência Nacional de Saúde Mental – Intersetorial, 27 de junho a 1 de julho de 2010. Brasília: Ministério da Saúde.

CAMPOS, Gastão Wagner de Souza (2006) Reflexões Temáticas sobre Equidade e Saúde: o caso do SUS. Saúde e Sociedade 15 (2). pp. 23-33.

CAMPOS, Gastão Wagner de Souza; AMARAL, Maria Aparecida (2007). A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciência e Saúde Coletiva 12 (4). pp. 849-859.

CANGUILHEM, Georges (2004). Escritos sobre la medicina. Buenos Aires: Amorrortu.

CASTRO, Sueli Aparecida (2009). Caracterização sociodemográfica e clínica das reinternações psiquiátricas no

Hospital Santa Tereza de Ribeirão Preto, no período de 2006 e 2007. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

COHN, Amélia; NAKAMURA, Eunice; GUTIERRES, Kellen Alves (2009).“De como o PSF entrecruza as dimensões pública e privada da vida social”. In Amélia Cohn (Organizadora). Saúde da família e SUS: convergências e dissonâncias. Rio de Janeiro: Beco do Azougue; São Paulo: CEDEC.

DUTRA, Virgínia Faria Damásio (2011). O cuidado oferecido a pessoas que vivenciaram a experiência da desinstitucionalização. Ciência, Cuidado e Saúde 10 ( 2). pp. 218-225.

FLEISCHER, Soraya; TORNQUIST, Carmen Susana; MEDEIROS, Bartolomeu Figueirôa de (2009). “Popularizando o cuidado com a saúde: uma apresentação”. In: Soraya Fleischer, Carmen Susana Tornquist e Bartolomeu Figueirôa de Medeiros (organizadores). Saber cuidar, saber contar: ensaios de antropologia e saúde popular. Florianópolis: Editora da UDESC.

GERSCHMAN, Silvia; SANTOS, Maria Angélica Borges (2006). O Sistema Único de Saúde como desdobramento das políticas de saúde do século XX. RBCS 21(61). pp. 177-227.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (1997). Epistemología cualitativa y subjetividad. São Paulo: Educ.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2002). Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. Tradução de Raquel Souza Guzzo. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003. Título original: Sujeto y subjetividade.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2004a). “O sujeito, a subjetividade e o outro na dialética complexa do desenvolvimento humano”. In: Albertina Mitjáns Martines; Livia Mathias Simão (organizadoras). O outro no desenvolvimento humano: diálogos para a pesquisa e a prática profissional em psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2004b). O Social na Psicologia e a Psicologia Social: a emergência do sujeito. Petrópolis: Vozes.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2004c). Personalidade, saúde e modo de vida. Tradução de Flor Maria VidaurreLenz da Silva. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. Título original: Personalidad, salud y modo de vida.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2005a). O valor heurístico da subjetividade na investigação psicológica. In: Fernando Luís González Rey (organizador). Subjetividade, Complexidade e Pesquisa em Psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2007). Psicoterapia, subjetividade e pós-modernidade: uma aproximação histórico-cultural. Tradução de Gullermo Matias Gamucio. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. Título original: Psicoterapia, subjetividade y postmodernidad.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2008). O sujeito que aprende: desafios no desenvolvimento do tema da aprendizagem na psicología e na prática pedagógica”. In: Maria Carmem V. R. Tacca (organizadora). Aprendizagem e trabalho pedagógico. 2 ed. Campinas: Alínea.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (maio de 2009). La significación de Vygotski para laconsideración de loafectivoenlaeducación: las bases para lacuestión de lasubjetividad. Acesso em: agosto de 2012.: <http://www.latindex.ucr.ac.cr/aie-2009-esp/aie-2009-es-02.pdf>.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2009b). Epistemología y Ontología: un debate necessário para la Psicología hoy. Diversitas 5 (2). pp. 205-224. Acesso em: 19 de agosto 2012: <http://ojs.usta.edu.co/index.php/diversitas/article/viewFile/6/pdf>.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2011). Subjetividade e saúde: superando a clínica da patologia. São Paulo: Cortez.

GUERRA, Andréa Máris Campos (2004). Reabilitação psicossocial no campo da reforma psiquiátrica: uma reflexão sobre o controverso conceito e seus possíveis paradigmas. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental 7 (2). pp. 83-96.

LUCCHESE, Roselma; BARROS, Sônia (2009). A constituição de competências na formação e na prática do enfermeiro em saúde mental. Revista da Escola de Enfermagem da USP 43 (1). pp. 152-160.

MITJÁNS MARTINES, Albertina (2005). A Teoria da Subjetividade de González Rey: uma expressão do paradigma da complexidade na psicologia. In: Fernando Luís González Rey. Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

NASCIMENTO, Pedro Francisco Guedes do (2009). Reprodução, Desigualdades e Políticas Públicas de Saúde: Uma etnografia da construção do desejo de filhos. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação de Antropologia. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

PANDE, Mariana Nogueira Rangel; AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho (2011). Desafios para os Centros de Atenção Psicossocial como serviços substitutivos: a nova cronicidade em questão. Ciência & Saúde Coletiva 16 (4). pp. 2067-2076.

PERES, Cássia Regina Fernandes Biffe; CALDAS JÚNIOR, AntonioLuiz; SILVA, Roseli Ferreira da; MARIN, Maria José Sanches. (2011). O Agente Comunitário de Saúde frente ao processo de trabalho em equipe: facilidades e dificuldades. Revista da Escola de Enfermagem da USP 45 (4). pp. 905-911.

PITIÁ, Ana Celeste de Araújo; FUREGATO, Antônia Regina Ferreira (2009). O Acompanhamento Terapêutico (AT): dispositivo de atenção psicossocial em saúde mental. Interface – Comunicação, Saúde, Educação 13 (20). pp. 67-77.

RAMOS, DéborahKarollyne Ribeiro.; GUIMARÃES, Jacileide; ENDERS, Bertha Cruz (2011). Análise contextual de reinternações frequentes de portador de transtorno mental. Interface – Comunicação, Saúde, Educação 15 (37). pp. 519-527.

ROSA, Lúcia Cristina dos Santos; LUSTOSA, Amanda Furtado Mascarenhas (2010). Formação profissional do assistente social para atuar na saúde mental: elementos para o debate contemporâneo. Revista Serviço Social & Realidade 19 (2). pp. 203-218.

ROTELLI, Franco; LEONARDIS, Ota de; MAURI, Diana. Desinstitucionalização, uma outra via. In: NICÁCIO, F. (org.). Desinstitucionalização, São Paulo: Hucitec, 2001. pp. 17-59.

SILVA, Giselle de Fátima (2008). Os sentidos subjetivos de adolescentes com câncer. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Curso de Pós-graduação em Psicologia do Centro de Ciências da Vida, Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

TEIXEIRA JR, Sidnei; KANTORSKI, Luciane Prado; OLSCHOWSKY, Agnes (2009). O Centro de Atenção Psicossocial a partir da vivência do portador de transtorno psíquico. Revista Gaúcha de Enfermagem 30 (3). pp. 453-460.

Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-CompartirIgual 4.0.

 

The Journal Guillermo de Ockham provides an immediate and open access to its content, based on the principle of offering the public a free access to investigations to provide a global interchange of knowledge.

Unless otherwise established, the contents of this journal has a license with Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International (CC BY-NC-ND 4.0) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/

  • Attribution — You must give appropriate credit, provide a link to the license, and indicate if changes were made. You may do so in any reasonable manner, but not in any way that suggests the licensor endorses you or your use.
  • NonCommercial — You may not use the material for commercial purposes.
  • NoDerivatives — If you remix, transform, or build upon the material, you may not distribute the modified material.
  • No additional restrictions — You may not apply legal terms or technological measures that legally restrict others from doing anything the license permits.