Estimulação cognitivo motor nas creches públicas no Sul e Nordeste do Brasil

Resumen

El presente es una revisión de artículo del tipo sistemática, sobre la inserción y contribución del fisioterapeuta en el ambiente de guardería. El objetivo de este trabajo es investigar cómo los fisioterapeutas han abordado la necesidad de estimulación precoz, para el desarrollo motor y cognitivo de los niños en guarderías. Se analizaron 14 artículos publicados entre 2005-2015 y recuperados en las bases Scielo y Google Académico, con los descriptores: guardería en Brasil; Guarderías en la región Sur; Guarderías en la región Nordeste; Retraso motor en guarderías públicas; intervención fisioterápica en las guarderías públicas. Los resultados apuntaron que la inclusión de guarderías en el sistema educativo ya está consagrada, sin embargo, la discusión sobre la importancia de la fisioterapia en el ambiente de la guardería, todavía se muestra incipiente. Este artículo deja la reflexión sobre una brecha que debe ser llenada por el fisioterapeuta en el trabajo académico, para sumar esfuerzos en la prevención de los retrasos motores y cognitivos secundarios.

Biografía del autor/a

Noory Lisias Oliveira, Universidade Católica de Petrópolis
Mestre em psicologia ,especializada em neuroanatomia,fisioterapeuta,colaborodora do grupo de pesquisa de PPSCS da Universidade Católica de Petrópolis

Citas

Referências Bibliográficas

Mastroianni, E. C., Bofi, T. C., & Carvalho, A. C. (2007). Perfil do Desenvolvimento Motor e Cognitivo de Crianças com Idade Entre Zero e um ano Matriculadas nas creches públicas da Rede Municipal de Educação dePresidente Prudente. Ibero-Americana de Estudos em Educação, 31-43.

Bahia, C. C., Magalhães, C. M., & Pontes, F. A. (2011). A relação creche-família na visão de professores e mães usuárias de creche. Ibero-Americana de estudos em educação, 16-34.

Baltieri, L., Santos, D. C., Gibim, N. C., Souza, C. T., Bastitela, A. T., & Tolocka, R. E. (2010). Desempenho motor de lactentes frequentadores de berçários em creches públicas. Rev.Paulista de Pediatria, 283-289.

Brasil. (20 de dezembro de 1996). LDB,Lei9394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacioinal. Brasilia, DF, Brasil. Fonte: http://www.direitoaeducacao.org.br/

Brasil,Ministerio da Educação . (2006b). Parametros Basicos de Infraestrutura para Instituições de Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. (2009). Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. 2°ed Brasília. MEC/SEB.

Campos, M. (10 de agosto de 2015). A educação infantil frente a seus desafios. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Fonte: http://www.fcc.org.br/conteudosespeciais

Campos, M., Esposito, Y., Bhering, E., Gimenes, N., & Abuchaim, B. (Jan/Abr de 2011). A qualidade da educação infantil: um estudo em seis capitais brasileiras. Cadernos de Pesquisa, 41(52), pp. 20 - 54.

Carvalho, A. F., & Rubiato, K. C. (2012). A pesperctiva Educativa do Espaço Físico das Crehes. São Jose do rio Preto: Monografias Brasil Escolas.

Eickmann, S. H., Maciel, A. M., Lira, P. I., & Lima, M. C. (2009). Fatores associados ao desenvolvimento mental e motor de crianças de quatro creches públicas de Recife, Brasil. Rev. paul. pediatr. , 27, 282-288. Fonte: http://www.scielo.br

Felicio, L. R., Morais, R. S., Tolentino, J. A., Amaro, L. L., & Pinto, S. A. (2012). A qualidade de creches publicas e o desenvolvimento de crianças em desvantagem economica no Vale do Jeqquitinhonha :um estudo piloto. Pesquisa em Fisioterapia, 70-82.

Governo Federal. (2014). Brasil Crinhoso. Ministerio da Educação. Distrito Federal: Fundo Nacional de desenvolvimento da Educação. Fonte: http://www.fnde.gov.br/

Kappel, M., & Carvalho, M. &. (2016). Perfil das crianças de 0-6 anos que frequentam creches,pré-escola e escola. Revista Brasileira de Educação.

Landmann, L., Ruzza, P., & Chesani, F. H. (2009). Espaço educacional e a possibilidade de atuação do fisioterapeuta. Ciência & Cognição, ?

Lima, A. K., & Lima, A. O. (2012). O perfil do desenvolvimento neuropsicomotor e aspecto familiares de crianças institucionalizadas na cidade do Recife. CES-Psicologia, 15.

Lordelo, E. R. (2002). Interação social e responsividade em ambientes doméstico e decreche: cultura e desenvolvimento. Estudo de psicologia, 343-350.

Lordelo, E. R., Chalhub, A. A., & Carvalho, C. (2007). Contexto e desenvolvimento cognitivo: frequência à creche e evolução do desenvolvimento mental. Psicologia: Reflexão e Crítica, pp. 324 - 334.

Moreira, H. B., Lima, A. C., Vilagra, J., & Melin, M. (2010). Um olhar da fisioterapia no atraso do desenvolvimento motor em creches públicas. Revista Varia Scientia, 9, 27-34.

Nascimento, R., & Piassão, C. (2010). Avaliação e estimulação do desenvolvimento neuropsicomotor em lactentes institucionalizados. Revista Neurociência, 469-478.

Oliveira, D. R., & Miguel, A. S. (novembro de 2012). A nova concepção pós-LDB(Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional-Lei9.394/96). v.5. Bebedouro, São Paulo, Brasil: Revista Fafibe on-line.

Oliveira, S., Almeida, C., & Valentini, N. (julho de 2012). Oliveira,S.M.S;Programa de fisioterapia aplicado no desenvolvimento motor de bebês saudáveis em ambiente familiar. Revista da Educação Fisica, 25-35. Fonte: Revista da educação fisica UEM.

Oliveira, S., Almeida, C., & Valentini, N. (s.d.). Oliveira,S.M.S;Almeida,C.S.;Valentini,N.C; Programa deRevista da educação física programa de fisioterapia aplicado no desenvolvimento motor de bebês saudáveis em ambiente familiar. Revista da ducação Fisica.

Pereira, K. R. (2012). Que Papel o professor de educação infantilvem sendo convocado?Aspecto do desenvolvimento da criança frente à escolarização. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Acesso em 2015, disponível em https://www.lume.ufrgs.br

Santos , M. M., Corsi , C., & Marques , L. A. (dez de 2013). Comparação do desempenho motor e cognitivo de crianças frequentadoras de creches públicas e particulares. 579-587. Fonte: http://www.scielo.br/scielo.ph

Schobert, L. (2008). O desenvolvimento do Bebê em creches:Um olhar sobre diferentes contextos. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Educação Física, Porto Alegre.

Scorzafave, L., & Menezes-Filho, N. (2001). Participação feminina no mercado de trabalho brasileiro: evolução e determinantes. Pesquisa e Planejamento Econômico, 31(3), pp. 441-478.

Vitta, F., & Emmel, M. (2004). A dualidade cuidado x educação no cotidiano do berçário. Paideia, 28, pp. 177-189.

Publicado
2018-12-20
Sección
Original papers